Vídeo mostra frentista atirando em foliões durante confusão em posto após bloco de carnaval em SP

Homem é agredido e atira em seguida. Dois morreram e um ficou ferido.

Foram mortos o professor de educação física Bruno Gomes de Souza, de 31 anos, e o metalúrgico João Batista Moura da Silva, de 30 anos. O sobrevivente é o empresário Rodrigo Beralde da Silva, de 35.

Segundo amigos das vítimas, o motivo da confusão foi o fato de parte do grupo ter urinado em sacos de lixo após ter sido proibido por funcionários de usar o banheiro do local, que estava interditado.

O vídeo começa segundos antes dos disparos. Um grupo aparece discutindo com um homem de mochila nas costas. O atirador aparece caminhando, com um colete vermelho. Outro rapaz, de boné, surge apressado e empurra o homem com mochila. O frentista parte para cima e leva uma voadora. Ele cai e é agredido por outros rapazes. O frentista se levanta e atira.

A Polícia Civil confirmou que o atirador trabalha no posto. O nome dele, porém, não foi divulgado. O delegado Roberto Krasovic, responsável pelo caso, disse que entrou com o pedido de prisão temporária.

Até o final da tarde esta segunda-feira (5), a Polícia Civil tinha ouvido o depoimento de mais de dez testemunhas, incluindo funcionários do posto e amigos dos baleados. A investigação aguarda o laudo de um projétil retirado do corpo de uma das vítimas.

Amigos lamentam

“Tudo começou por causa de um banheiro. Foi uma brutalidade”, disse a amiga e testemunha Talita Juliana Moreira Avelino. Segundo ela, parte dos funcionários do posto as autorizou a usar o local do depósito de lixo, mas, quando Bruno foi usar o espaço, foi proibido pelos frentistas. Ao voltarem para a frente do posto, começou uma briga e um homem chegou com uma arma.

 

Amigos em bloco de carnaval antes do crime na Rebouças (Foto: Arquivo pessoal )

 

Talita e o marido são amigos das vítimas e estavam com elas quando ocorreu o crime. O casal foi prestar depoimento na delegacia que investiga o caso. “Isso indigna, morrer por causa de banheiro”, lamentou Talita aos jornalistas que estavam nesta manhã no 14º Distrito Policial (DP), em Pinheiros.

“Vi os três no chão”, recorda-se Fernando Avelino, que estava com uma atadura no braço, segundo ele, resultado da agressão que sofreu no dia. “Fui agredido com uma barra de ferro por alguém no posto.”

O dono do posto Shell na Avenida Rebouças, Carlos Duque, negou que o local tenha segurança particular. Segundo o proprietário, os frentistas não contaram a ele quem sacou uma arma e atirou no grupo de amigos que urinou em local proibido. O dono do posto afirmou que está colaborando com as investigações para encontrar o assassino.

Frentistas

Segundo o depoimento de dois frentistas à Polícia Civil, as vítimas tentaram entrar em uma parte do posto onde ficam guardados sacos de lixo, para urinar. Eles conseguiram entrar na área, fecharam o portão e, quando voltaram, ocorreram os disparos.

A polícia encontrou maconha com um dos frentistas e, no escritório do posto, documentos e um celular de um homem. Segundo o gerente, são pertences deixados por um cliente no posto.

Os funcionários do posto e da drogaria, que fica no mesmo local, disseram não ter visto o tiroteio porque entraram no trabalho às 22h.

Balanço da Prefeitura mostra que foram aplicadas cerca de 100 multas nas regiões da Sé, Vila Mariana e Pinheiros para quem foi pego fazendo xixi em via pública. De acordo com a administração, foram espalhados aproximadamente 3 mil banheiros químicos nos locais de passagem dos blocos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *