Gabily “Não sinto mais”

Recentemente, a cantora Anitta falou durante participação no prêmio Lo Nuestro, nos EUA, que quando iniciou “eram apenas homens e agora temos várias mulheres cantando também e algumas comigo”. “Estamos fazendo coisas juntas, e quando me pedem ajuda, ajudo sempre”, garantiu a artista. Aqui no Brasil, muita gente interpretou as aspas de forma equivocada, chamando-a até de prepotente. Porém, o que a artista quis dizer é que o funk, ritmo de sua origem, era predominado por homens. Não é mentira. A projeção nacional deste estilo musical era figurada por representantes masculinos e, após sua chegada, nomes como Ludmilla, Valesca e Lexa conseguiram crescer no mercado. É aquela história de um “ir puxando o outro”. É com essa lógica que surge Gabily. A carioca de 23 anos, que vem buscando expandir seu trabalho pelo país, bateu um papo com o Bahia Notícias e reconheceu que hoje o mercado musical está mais aberto. “Não sinto mais tanta dificuldade. Acho que a mulher tem levantado a bandeira de quem está conseguindo. Agora está mais fácil, pois ficamos em evidência. Antigamente tinha muito mais preconceito, de sermos taxadas como uma qualquer porque está ali dançando e rebolando. Acredito que as pessoas evoluíram essa parte. A galera já vê como uma arte, forma de se expressar. Claro que em outras profissões não é assim, mas na música já foi mais difícil”, admitiu. Com essa consciência mercadológica, a cantora constatou que a grande questão é acertar na música. “Tudo é muito versátil. Você não escolhe quem faz sucesso, não se constrói uma artista. Hoje, tem gente que lança uma música na internet e vira sucesso, como a Jojo Todynho. É mais a música do que tudo”, advertiu.

Um comentário em “Gabily “Não sinto mais”

  • 10/03/2018 em
    Permalink

    No fim do imperio romano , enquanto os bárbaros invadiam e saqueavam cidades, no mundo romano as festas circences , os “políticos” de falas rebuscadas e populistas, o r etorno às urgias , incestos e putarias aumentaram e a volta da “Cultura” pagã , incluindo leis de sacrifícios humanos cresciam exponencialmente no mesmo ritmo do colapso anuncado. Mas o que esperar de zumbis que oerderam a memória dos dias de Glória de Roma; viraram meros zumbis

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *