Cármen Lúcia foi avisada que havia armas e explosivos em presídio de GO

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Cármen Lúcia, foi aconselhada por vários interlocutores – incluindo desembargadores, juízes e integrantes da OAB e do Ministério Público – a não visitar o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, em Goiás. As recomendações estão na contramão da declaração do governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB). Segundo ele, a unidade é segura.
A ministra teria sido informada que havia explosivos dentro do complexo penitenciário, presos portando armas de fogo e granada, segundo apurado pelo Blog do Camarotti, do ‘G1’. Diante disto, ela pediu uma nova inspeção.
Cármen Lúcia foi a Goiânia nessa segunda-feira (8) para se reunir com autoridades do estado, mas não visitou o presídio. Ainda de acordo com o blog, Perillo disse que a magistrada não pediu para visitar o presídio.

O local foi palco de três rebeliões com nove mortos e 14 feridos no dia 1º deste mês.

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *